segunda-feira, 24 de abril de 2017

CD AVES 2-0 FC FAMALICÃO; SEGUNDA LIGA 38ª JORNADA

O Desportivo das Aves recebeu e venceu hoje o Famalicão, por 2-0, na 38.ª jornada da II Liga portuguesa de futebol, ficou, assim, a um ponto da subida e a dois do líder, o já promovido Portimonense.

Os locais somam agora 71 pontos, contra 73 da equipa orientada por Vítor Oliveira, e mais 13 do que o terceiro classificado, que agora é o Penafiel, que foi a Freamunde ganhar (2-1) e, desse modo, atenuou os festejos avenses.

Foto de Vasco Oliveira para o Jornal Entre Margens
Mas na Vila das Aves já se festejou como se a subida fosse certa, tendo a equipa saído sob muitos aplausos e cânticos dando como certa a presença na I Liga da próxima temporada.

O estádio do Desportivo das Aves quase que encheu para este jogo e o clima era de grande otimismo entre os simpatizantes avenses, mas primeiro tempo correu mal à equipa devido às lesões de Erivaldo (13), João Pedro (25) e Nélson Pedroso (45), que foram substituídos por Zé Tiago, Xandão e Cateano, respetivamente.

Com três baixas de rajada, o técnico José Mota teve de reorganizar a sua equipa e improvisar soluções, como por exemplo confiar toda a ala a esquerda ao veloz extremo Balogun

O Famalicão, ainda a lutar pela permanência, entrou melhor no jogo, apostou forte no contra-ataque e foi deste modo que Carlão criou perigo aos três e aos 13 minutos.

O Aves aparentou alguma ansiedade, que afetou, por exemplo, o setor defensivo, o seu futebol foi algo confuso e só aos 16 minutos é que surgiu com perigo junto à baliza famalicense, por Tarcísio, que, à vontade, cabeceou fraco e à figura de Gabriel.

Mais solto, o Famalicão voltou a criar perigo num livre de Mendes e num remate de cabeça, mas Quim estava atento e opôs-se bem a ambos.

O Aves jogou com mais coração do que cabeça e foi assim que Guedes beneficiou de um ressalto, aos 42 minutos, para alvejar em boa posição a baliza Gabriel.

Ainda antes do intervalo, as duas equipas estiveram perto do golo, por Mércio (43 minutos) e Guedes (45-2), mas o nulo manteve-se.

Já na segunda parte, foi por pouco que o Famalicão não marcou através de um remate de Lima que a defesa avense desviou quase por milagre (55).

Depois disso, o Aves reagiu em força e Guedes, de cabeça, fez o 1-0 dando o melhor seguimento a um grande cruzamento de Balogun.

O Aves confirmou o triunfo aos 76 minutos, quando Tarcísio obteve o 2-0 na sequência de lance muito bem trabalhado por Caetano.

Os adeptos avenses festejaram ruidosamente e mais ainda quando chegou a ser noticiado que o Freamunde tinha feito o 2-2 frente ao Penafiel, resultado que garantia já hoje a cobiçada subida de divisão.

Contudo, o golo do Freamunde não se confirmou e os festejos abrandaram, mas em Vila das Aves já se dá como seguro que a equipa local já tem o passaporte para a I Liga, faltando apenas carimbá-lo.

Desportivo das Aves - Famalicão, 2-0.
Ao intervalo: 0-0.
Marcadores:
1-0, Guedes, 67'
2-0, Tarcísio, 76'

Equipas:
- Desportivo das Aves: Quim, João Amorim, Tiago Valente, João Pedro (Xandão,25), Nélson Pedroso (Caetano, 45), Ericson, Erivaldo (Zé Tiago, 13), Tarcísio, Bruno Alves, Balogun e Guedes.
(Suplentes: Marco Pinto, Xandão, Luís Alberto, Zé Tiago, Leandro, Caetano e Theo Mendy).
Treinador: José Mota.
- Famalicão: Gabriel, Dani, Nuno Diogo, Vilaça, Jorge Miguel, Fred (Kisley, 75), Mendes, Lima, Mércio (Perre, 66), Diogo Cunha (Feliz, 58) e Carlão.
(Suplentes: Victor Braga, Ângelo, Correia, Gevaro, Feliz, Perre e Kisley).
Treinador: Dito.

Árbitro: Rui Oliveira (AF Porto).
Ação disciplinar: cartão amarelo para Nuno Digo (74).
Assistência: cerca de 4.500 espetadores.

Ligações:

quinta-feira, 20 de abril de 2017

PORTIMONENSE 2-1 CD AVES; SEGUNDA LIGA 37ª JORNADA

O Portimonense regressou esta quarta-feira às vitórias ao vencer o Desportivo das Aves, por 2-1, em jogo da 37.ª jornada da 2.ª Liga, e ficou a um ponto de garantir a subida ao escalão principal. Já os avenses também podem fazer a festa na próxima ronda, mas precisam de vencer o Famalicão e esperar que o Varzim e o Penafiel não ganhem.

No Estádio Municipal de Portimão, o Portimonense chegou ao intervalo em vantagem com um golo marcado por Chidera (45'), e o Aves empatou por Guedes (56'), mas Ewerton deu o triunfo aos algarvios aos 80', colocando ponto final numa série de quatro derrotas.

A equipa comandada por Vítor Oliveira lidera agora com 73 pontos, mais cinco do que o Desportivo das Aves, segundo classificado, com 68, que se mantém no lugar de subida, 10 pontos acima do Varzim, terceiro classificado. Isto quando faltam cinco jornadas para o final do campeonato.

Numa partida em que o Portimonense fez apenas o suficiente para assegurar a vitória, couberam ao Aves as melhores oportunidades de golo, a primeira aos 12 minutos, com Ricardo Ferreira a segurar o remate de Balogun.

Com o domínio do meio-campo, o Aves evidenciava maior perigo no ataque e, aos 24 minutos, Erivaldo voltou a desperdiçar a oportunidade de abrir o marcador, com um remate ao lado.

O Portimonense só aos 34 minutos é que criou perigo para a baliza de Quim, com o guarda-redes do Aves a desviar um remate de Paulinho, na sequência de um livre cobrado à entrada da área.

Os algarvios colocaram-se em vantagem antes do intervalo, através de um lance de bola parada, tendo Paulinho assistido Chidera que, de cabeça, colocou a bola fora do alcance de Quim.

No segundo tempo, o Aves entrou com maior velocidade e, aos 56 minutos, Guedes, solto na área e assistido por Erivaldo, igualou o marcador, com um remate fora do alcance de Ricardo Ferreira.

O golo deu maior alento à formação de José Mota, que obrigou o Portimonense a recuar no terreno, mas os avançados Erivaldo e Guedes demonstraram falta de discernimento nas duas melhores ocasiões para virarem o marcador a seu favor.

Quem aproveitou foram os algarvios, que, em contra-ataque e contra a corrente do jogo, voltaram a colocar-se em vantagem por intermédio de Ewerton (80'), jogador que aproveitou uma defesa incompleta de Quim -- após remate de Manafá - para fixar o resultado.

Jogo no Estádio Municipal de Portimão
Marcadores:
1-0, Chidera, aos 45 minutos.
1-1, Guedes, 56.
2-1, Ewerton, 80.

PORTIMONENSE - Ricardo Ferreira, Zambujo, Ivo Nicolau, Brendon, Luís Mata, Pedro Sá, Gleison (Marcel, 45'), Paulinho (Tabata, 87'), Chidera (Manafá, 62'), Ewerton e Pires. 
Suplentes: Carlos, Dener, Tabata, Manafá, Gustavo, Marcel e Buba.
Treinador: Vítor Oliveira.
DESPORTIVO DAS AVES - Quim, Amorim, Tiago Valente, José Pedro, Nelson Pedroso, Pedró (Bruno Alves, 34'), Ericson, Tarcísio (Barry, 50'), Erivaldo, Balogun (Caetano, 78') e Guedes.
Suplentes: Marco Pinto, Xandão, Luís Alberto, Zé Tiago, Barry, Caetano e Bruno Alves.
Treinador: José Mota.

Árbitro: Bruno Esteves (AF Setúbal).
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Tarcísio (44'), Zambujo (65'), Barry (71'), Tiago Valente (80'), Paulinho (87') e Ricardo Ferreira (90').
Assistência: cerca de 2.200 espectadores.

Ligações:

terça-feira, 18 de abril de 2017

ATAQUE À LIDERANÇA REDOBRA AMBIÇÃO

Com o regresso ao escalão principal no horizonte, o Aves está apostado em dar um passo decisivo para a concretização da meta traçada para esta temporada na casa do líder Portimonense. Com uma vantagem mais confortável para o 3º classificado, o Varzim, a equipa de José Mota tem a possibilidade chegar ao 1º posto, uma vez que a distância é só de dois pontos.

A atravessar um momento de forma bem distinto do Portimonense, desde que José Mota chegou, na 29ª ronda, o Aves recuperou seis pontos para os algarvios. Contudo, ainda mais importante foi o facto de ter aumentado para dez pontos a diferença face ao Varzim, o principal perseguidor na luta pela subida.



Os avenses procuram agudizar a crise da equipa de Vítor Oliveira, treinador que era a primeira escolha da SAD de Luiz Andrade para conduzir o ambicioso projeto de subida. O acordo esteve iminente, mas o projeto do Portimonense desviou Vítor Oliveira das Aves à última hora. Os destinos voltam a cruzar-se numa fase decisiva.

Título daria cor a projeto ambicioso

Ainda um maior peso simbólico do que subir ao escalão principal teria a conquista do título de campeão. Esse é um reconhecimento que os avenses ainda não conseguiram desde a criação do novo modelo da 2.ª Liga e que daria ainda mais cor ao projeto ambicioso que foi criado para esta temporada. Na sua história, a única vez que o Aves conseguiu o título de campeão foi em 1984/85, na extinta 2.ª Divisão. Desde então, conseguiu subir por mais duas vezes ao principal escalão do futebol português, mas sem conquistar Taças: em 1999/00 terminou no 3.º lugar e em 2005/06 foi vice-campeão.

Ligações:

CD AVES - SP. COVILHÃ, 2-1; SEGUNDA LIGA 36ª JORNADA

O Desportivo das Aves bateu este sábado em casa o Sporting da Covilhã, por 2-1, na 36.º jornada da 2.ª Liga, consolidou o segundo lugar e ficou a dois pontos do líder Portimonense, que perdeu.

Os visitantes foram para o intervalo em vantagem, com um golo apontado por Erivelto (16 minutos), mas o Aves, sem nunca jogar bem, empatou de grande penalidade, por Guedes (51), e passou para a frente com um golo de Ericson (82).

Foto de Vasco Oliveira para o Jornal Entre Margens
Com 68 pontos, os locais reforçaram, assim, o segundo lugar e estão, consequentemente, mais perto do regresso à I Liga, porque o Varzim, terceiro colocado, perdeu (1-0 na receção ao FC Porto B) e manteve-se com 58, agora a 10.

O Aves esteve longe de fazer uma boa exibição, mas fez o suficiente, pelo menos na primeira parte, para ganhar e até podia ter marcado mais golos a um Covilhã que se adiantou no marcador, de forma inesperada, através do brasileiro Erivelto, que mais não fez do que aproveitar uma desatenção do central Tiago Valente para bater Quim.

O Covilhã não havia feito nada até aí para justificar esse golo e pouco antes, aliás, Igor Rodrigues evitara um golo, opondo-se bem a um remate de Guedes.

O Aves partiu depois em busca da igualdade, atacou muito e só por culpa própria é que não a obteve, pois teve muitas ocasiões, a mais flagrante das quais aos 37 minutos, por Guedes, que cabeceou ao poste direito.

Perdulária no ataque, o Aves também revelou, aqui e ali, alguma insegurança defensiva, que o Covilhã não soube aproveitar.

O técnico José Mota lançou Barry na segunda parte e o atacante correspondeu logo aos 50 minutos, arrancando uma grande penalidade, num lance pouco claro.

Guedes encarregou-se da marcação do castigo máximo e empatou. O treinador António Gouveia decidiu também mexer no seu ataque, substituindo o apagado Haramiz por Medarious.

Esta alteração acrescentou vivacidade ao ataque da equipa serrana e criou alguns problemas à defesa avense, mas a equipa da casa resistiu e, com um futebol muito mais realista do que brilhante, ameaçou novamente a baliza de Igor Rodrigues.

Aos 82 minutos, as ameaças materializaram-se, num golo pleno de oportunidade do médio Ericson, que selou a vitória justa de um Aves pragmático e sem nota artística.

Jogo no Estádio do Clube Desportivo das Aves, na Vila das Aves.
Desportivo das Aves - Sporting da Covilhã, 2-1.
Ao intervalo: 0-1.
Marcadores:
0-1, Erivelto, 16 minutos.
1-1, Guedes, 51 (grande penalidade).
2-1, Ericson, 82.

Equipas:
- Desportivo das Aves: Quim, João Amorim, Tiago Valente, José Pedro, Nélson Pedroso, Ericson, Erivaldo, Tarcísio, Pedró (Barry, 45), Balogun (Caetano, 69) e Guedes (Renato Reis, 86).
(Suplentes: Marco Pinto, Xandão, Luís Alberto, Leandro, Renato Reis, Barry e Caetano).
Treinador: José Mota.
- Sporting da Covilhã: Igor Rodrigues, Mike, Zarabi, Sambinha, Marcílio, Djikiné, Prince (Gilberto, 65), Diarra, Chaby, Harramiz (Medarious, 54) e Erivelto (Ponde, 71).
(Suplentes: Igor, Zé Pedro, Gilberto, Medarious, Ponde, Diogo Gaspar e Soares).
Treinador: Filipe Gouveia.

Árbitro: Luís Ferreira (Braga).
Ação disciplinar: cartão amarelo para Djikiné (24) e Chaby (89).
Assistência: Cerca de 1.600 espetadores.

Ligações:

sexta-feira, 7 de abril de 2017

ACADÉMICA - CD AVES, 0-0; SEGUNDA LIGA 35ª JORNADA

A Académica empatou esta quinta-feira com o Aves 0-0, em encontro da 35.ª jornada da II Liga, disputado em Coimbra, num jogo em que a equipa nortenha foi sempre mais perigosa.



A equipa treinada por José Mota, segunda classificada no campeonato, foi mais dominadora, perante uma 'briosa' que iniciou o jogo sem nenhum avançado de raiz em campo.

Aos 24 minutos, Erivaldo rematou cruzado na direita do seu ataque, com a bola a rasar o poste de Ricardo Ribeiro, e, dois minutos depois, Guedes cruzou rasteiro para pequena área, onde Balogun, entre os centrais da casa, não conseguiu emendar para golo.

A Académica voltou a passar por 'calafrios' aos 36 minutos, na sequência de um livre indireto cobrado para a área, em que o guarda-redes Ricardo Ribeiro largou a bola depois de a intercetar, mas os defesas conseguiram afastar pela linha lateral.

No segundo tempo, a equipa do Aves voltou a ser mais perigosa, pese embora a boa réplica da 'briosa', mesmo quando ficou em inferioridade numérica, aos 61 minutos, após a expulsão do central Yuri por acumulação de amarelos.

Balogun surgiu isolado, aos 58 minutos, numa jogada que começou num mau passe do meio-campo da Académica, mas o guarda-redes Ricardo Ribeiro travou o remate do extremo nortenho.

Os 'estudantes' ainda reclamaram duas grandes penalidades, uma, aos 70 minutos, sobre Marinho e outra, aos 83, sobre Traquina, mas o árbitro Luís Godinho mandou seguir.

O Aves dispôs de outra boa ocasião aos 82 minutos, numa jogada de Guedes, que, junto à área, lateralizou para Barry, mas o remate saiu por cima.

A melhor ocasião da Académica aconteceu aos 84 minutos, por Ernest, que, numa jogada individual, obrigou Quim a defender para canto.

Já nos cinco minutos de descontos dados pelo árbitro, Guedes rematou à trave da baliza à guarda de Ricardo Ribeiro, que estava completamente batido.

Com este resultado, o Aves mantém-se seguro no segundo posto da classificação, enquanto a Académica pode ser ultrapassada no sexto lugar.

Jogo no Estádio Cidade de Coimbra.
Académica - Aves, 0-0.

Equipas:
- Académica: Ricardo Ribeiro, João Simões, Diogo Coelho, Yuri, Nuno Santos, Makonda, Nuno Piloto (Alfaiate, 65), Leandro Silva, Traquina, Ernest (Tom Tavares, 90+2) e Marinho (Diogo Ribeiro, 78).
(Suplentes: José Costa, Tom Tavares, Rui Miguel, Alfaiate, Ki, Diogo Ribeiro e Jimmy).
Treinador: Costinha.
- Aves: Quim, João Amorim, José Pedro, Tiago Valente, Nélson Pedroso, Pedró (Barry, 69), Ericson, Bruno Alves (Tarcísio, 56), Erivaldo (Caetano, 78), Guedes e Balogun.
(Suplentes: Rafa, Xandão, Luís Alberto, Tarcísio, Renato Reis, Barry e Caetano).
Treinador: José Mota.

Árbitro: Luís Godinho (Associação de Futebol de Évora).
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Bruno Alves (04), Balogun (40), Yuri (51 e 61), Ericson (52) e Diogo Coelho (64). Cartão vermelho, por acumulação de amarelos, para Yuri (61).
Assistência: 3.357 espectadores.

Ligações:

sábado, 1 de abril de 2017

CD AVES - SANTA CLARA, 1-0; SEGUNDA LIGA 34ª JORNADA

O Aves impôs-se este sábado, em casa, ao Santa Clara, por 1-0, num jogo da 34.ª jornada da 2.ª Liga, em que o mau futebol das duas equipas foi a nota dominante. Ericson marcou o golo que deu a vitória aos locais, aos 14 minutos, permitindo-lhes assim consolidar a segunda posição, agora com 64 pontos, e a candidatura à subida.



O Aves esteve melhor na primeira parte, foi mais ambicioso e acabou por ser premiado quando Ericson introduziu a bola na baliza do Santa Clara.

O Santa Clara, que chegou a este jogo com 51 pontos e com possibilidades de ainda lutar pela promoção, desiludiu, mostrando-se inofensivo a nível atacante.

O mau futebol foi uma constante, com muitos passes falhados, decisões erradas e falta de ideias das duas equipas.

Na segunda parte, o jogo ficou mais aberto porque o Santa Clara arriscou mais no ataque e o Aves recuou para junto da sua baliza e procurou segurar a magra mas preciosa vantagem.

Aos 52 minutos, numa das raras ocasiões de golo deste desafio, Guedes cabeceou à barra. Com o lateral direito Rui Silva em bom plano, o Santa Clara lançou alguns ataques pelo lado direito e conseguiu espaço para alguns cruzamentos, mas não passou disso e raramente criou situações claras de perigo e muito menos de golo.

Depois desse período, que durou cerca de 25 minutos, em que esteve sob alguma pressão e sofreu, o Aves recompôs-se e, sem jogar bem, acabou por segurar a vantagem alcançada ainda no primeiro tempo.

Num mau jogo de futebol, a vitória acaba por ficar bem ao Aves, porque foi a equipa menos má, e o Santa Clara foi uma completa nulidade no plano ofensivo.

Aves-Santa Clara, 1-0
Ao intervalo: 1-0
Marcador: 1-0, Ericson (14')

Aves: Quim, João Amorim, Tiago Valente, José Pedro, Nélson Pedroso, Ericson, Erivaldo (Barry, 65), Bruno Alves (Yaya Bamba, 81), Pedró (Caetano, 71), Balogun, e Guedes.
Treinador: José Mota
Santa Clara: Serginho, Rui Silva, Accioly, Felipe Barros, Igor (Berny Burke,77), Diogo Santos (Guilherme Schettine, 45), Osama, João Reis, Saldanha, Adel Gamal (Pineda, 39) e Clemente.
Treinador: Carlos Pinto.

Árbitro: Tiago Antunes (AF Coimbra).
Ação disciplinar: cartão amarelo para Balogun (45'), Igor (45'+3) e Bruno Alves (60').
Assistência: cerca de 800 espetadores.

Ligações:

quinta-feira, 30 de março de 2017

DESLIZE DOS RIVAIS REFORÇA AMBIÇÃO

O Aves beneficiou dos deslizes dos concorrentes diretos na luta pela subida e reforçou a ambição de carimbar o regresso ao escalão principal. A equipa de José Mota continua com mais sete pontos do que o Varzim, enquanto Académica e Santa Clara se encontram a dez pontos do primeiro lugar que dá acesso à 1ª Liga.



Recuperar a confiança do plantel era a principal meta de José Mota no momento da chegada ao comando técnico da formação da Vila das Aves e a verdade é que tem conseguido isso mesmo. Os avenses seguem sem perder há quatro jogos – venceram os últimos dois – e voltaram a recuperar o alento que parecia ter-se desmoronado durante várias jornadas para atacar de novo o grande objetivo nesta reta final de temporada.

A barreira psicológica está mais do que ultrapassada e a recente conjugação de resultados dos adversários diretos na luta pela subida – Varzim e Santa Clara perderam – foi uma injeção de confiança extra para o grupo de trabalho. O regresso à 1ª Liga, que não acontece desde 2006/07, está à distância máxima de 20 pontos, quando faltam 27 para disputar. Uma margem relativamente confortável, dado que a fasquia dos 81 pontos até pode baixar se os perseguidores continuarem a desperdiçar pontos como tem sucedido.

Calendário exigente em fase decisiva 

É verdade que faltam 20 pontos para o Aves carimbar definitivamente a subida de divisão, mas o calendário que se avizinha exigirá concentração máxima ao plantel de José Mota. Nos próximos quatro jogos, a formação avense defrontará três dos cinco melhores classificados da 2.ª Liga – Santa Clara, Académica e Portimonense –, prevendo-se uma fase de grandes decisões. Uma quebra poderia comprometer muita coisa, mas vale a pena recordar que se o Aves conseguir os mesmos resultados que na 1.ª volta diante destes adversários – venceu os três – o objetivo estará bem mais próximo.

Ligações:

domingo, 19 de março de 2017

FREAMUNDE - CD AVES, 0-1; SEGUNDA LIGA 33ª JORNADA

Um golo de Tiago Valente, perto do final do encontro, deu este domingo ao Desp. Aves uma vitória tangencial no terreno do Freamunde, em jogo da 33.ª jornada da 2.ª liga.

Tiago Valente apontou o tento da vitória
O Desp. Aves consolidou o 2.º lugar, mantendo-se bem posicionado para a subida à Liga NOS, enquanto o Freamunde, no dia do 84.º aniversário, sofreu a sua terceira derrota consecutiva, complicando as contas para fugir aos lugares de despromoção.

A partida iniciou-se equilibrada, com as duas equipas a conseguirem criar lances de perigo junto das balizas adversárias, ainda assim sem eficácia.

O lance mais perigoso acabou por acontecer já bem perto do intervalo, numa altura em que o Desp. Aves tentava a todo o custo desfazer o 'nulo'. João Pedro, com um pontapé forte, atirou a bola à barra da baliza de Marco.

Na segunda parte manteve-se a tendência de equilíbrio e a escassez de lances perigosos, sendo que o Desp. Aves apenas conseguiu resolver o encontro já bem perto do final da partida.

Nelson Pedroso bateu um livre para a área da formação da casa e Tiago Valente, de cabeça, aproveitando uma desatenção da defesa, fez o único golo do encontro, estragando assim a festa de aniversário da formação da casa.

Jogo disputado no Estádio do SC Freamunde
Árbitro: Bruno Paixão (Setúbal)

Freamunde: Marco, Rui Raínho, Luís Pedro, Eridson, Rodolfo, Paulo Grilo, Ivan Perez (Miguel Pedro, 62'), Leandro Pimenta (Rui Sampaio, 72'), Fausto (Sérgio Hipperdinger, 89'), Ekedi e Diogo Valente
Suplentes não utilizados: Dani, Huguinho, Jorge Vilela e Fábio Vieira
Treinador: Ricardo Chéu
Desp. Aves: Quim, João Amorim, Tiago Valente, João Pedro, Nélson, Pedró, Luís Alberto (Tarcísio, 46'), Ericson, Erivaldo (Caetano, 58'), Guedes e Balogum (Luís Barry, 76')
Suplentes não utilizados: Marco Pinto, Xandão, Leandro Souza e Renato Reis
Treinador: José Mota

Ao intervalo: 0-0
Marcador: Tiago Valente (88')
Ação disciplinar: cartão amarelo para: Rui Raínho (65'), Luís Pedro (69'), Tarcísio (77'), Tiago Valente (80'), Guedes (82'), Paulo Grilo (87')

Assistência: Cerca de 1.000 espetadores.